Bombom Prestígio caseiro

>> segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Esse bombom é natureba mesmo! Para comer sem medo de ser feliz, pois os ingredientes são o mais natural possível. Ralei o coco em casa e foi muito fácil: depois de tirar a água, quebrei-o ao meio, destaquei a polpa, descasquei a polpa desprezando a parte escura, joguei os pedaços no liquidificador e bati. Rapidamente obtive o coco ralado. A partir daí, comecei a preparar o recheio para os bombons.


Usei ingredientes de boa qualidade: óleo de coco extra virgem e chocolate orgânico meio amargo da marca Amma. Minha preferência é chocolate meio amargo, com 75% de cacau. Se você gosta mais doce, opte por menos porcentagem de cacau.

É fundamental o uso do óleo de coco (em vez de outros), porque ele se solidifica e facilita para dar forma às bolinhas da pasta de coco.



Ingredientes

2 xícaras de chá de coco ralado
4 colheres de sopa de mel
5 colheres de sopa de óleo de coco extra virgem
120 gr de pedaços chocolate escuro orgânico para a fusão (ou seja, pedaços de chocolate)


Modo de preparo
1. Transfira o coco ralado para uma tigela, adicione o mel e óleo de coco e baunilha. Mexa até formar uma pasta grossa.


2. Molde esta pasta formando bolas. Fiz bolinhas do tamanho padrão de um “beijinho de coco”. Rendeu 20 bolinhas. Enquanto você molda, sua mão fica oleosa, então é fácil dar forma de bolinha à pasta.


3. Coloque as bolinhas de coco na geladeira por cerca de 1 hora. Só retire-as quando for mergulhar no chocolate já derretido.

4. Derreta o chocolate em banho maria lenta e suavemente, sem deixar a água ferver.

5. Forre uma assadeira ou tabuleiro com papel manteiga. Usando dois garfos, enrole cada bola de coco no chocolate até que esteja completamente coberto. Feito isso, retire o bombom para fora do chocolate e deixe escorrer um pouco. Delicadamente, coloque o bombom sobre o papel manteiga até que tenha endurecido.

6. Quando todos os bombons estiverem prontos, leve à geladeira por uns 5 minutinhos.

É muito importante o uso de óleo de coco porque outros óleos não vão endurecer como o óleo de coco, e é o endurecimento o que mantém a forma da pasta do coco.

Fonte: para fazer essa delícia, me inspirei nesta receita aqui.





Read more...

A espetacular arquitetura japonesa no Casarão do Chá em Mogi das Cruzes (SP)

>> sábado, 1 de agosto de 2015

Para quem aprecia a cultura e arquitetura japonesa, e as artes em geral, recomendo a visita ao espetacular Casarão do Chá, na Cidade de Mogi das Cruzes, Estado de São Paulo.



























A história septuagenária do Casarão 

O Casarão do Chá de Mogi das Cruzes foi originalmente uma fábrica de chá, projetada e construída em 1942 pelo arquiteto e carpinteiro japonês Kazuo Hanaoka. Por quase três décadas, este edifício abrigou uma linha de produção de chá preto para exportação, empregando imigrantes japoneses. Com as dificuldades do mercado de exportação de chá no Brasil, a fábrica encerrou suas atividades e se tornou um depósito, e com o passar dos anos se desgastou naturalmente.

O dono da propriedade foi Fukashi Furihata, um engenheiro agrônomo que veio ao Brasil em 1922 através da empresa japonesa Sociedade Katakura. 

O construtor do Casarão do Chá é Kazuo Hanaoka que chegou ao Brasil em 1929, aos 30 anos. No Japão, ele era carpinteiro e aprendido as tradicionais técnicas de construção japonesas. 

Nas turbulências da Segunda Guerra Mundial, ampliou-se o mercado internacional do chá produzido no Brasil. Era preciso aumentar a produção e, para isso, expandir as instalações da Fazenda Katakura, então chamada de Chá Tókio. 

Por isso, durante o ano de 1942, Kazuo Hanaoka constrói a edificação que hoje conhecemos como Casarão do Chá.

Em 1968 a atividade foi oficialmente abandonada e o Casarão do Chá passa a servir como depósito de produtos agrícolas, veículos e equipamentos da propriedade - utilização inadequada que provocou a rápida deterioração do edifício.

No início da década de 80, a Prefeitura de Mogi das Cruzes entra com um pedido junto ao Conselho Estadual de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat), para o tombamento do imóvel. O pedido foi atendido em 1982.

Em 1996 é fundada a Associação Casarão do Chá e em 2005 o Ministério da Cultura aprova a 1ª etapa de sua restauração, que conta com a dedicação do renomado ceramista Akinori Nakatani, e com a habilidade do mestre marcineiro Tetsuya Nakao, enviado do Japão especialmente para esta finalidade.

Em 1º de junho de 2014, depois de mais de dez anos de um rigoroso processo de restauro, o Casarão do Chá abre as portas para o público.

A obra arquitetônica do Casarão do Chá

A estrutura do Casarão do Chá não utiliza pregos nem parafusos! São vigas de madeira in natura encaixadas umas nas outras.

O Casarão do Chá é um espetáculo da Arquitetura porque toda a sua estrutura é feita de encaixes de madeira. Não utiliza pregos nem parafusos! Esta técnica tradicional no Japão foi desenvolvida por causa dos constantes terremotos. 

Todas as vigas do Casarão do Chá, seja da estrutura ou telhado, são de madeira in natura e se encaixam em formas de kandi (ideogramas). 

Visualmente, o formato da cobertura do Casarão do Chá nos remete imediatamente ao Japão, através da tradicional irimoya (telhado côncavo, voltado para dentro).

Toda a madeira da obra é de eucalipto tratado, inclusive as utilizadas nas estruturas das paredes em pau-a-pique. O madeiramento aparente deixa visível o formato original dos caules com partes das suas ramificações.

O espaço dentro do Casarão do Chá é amplo. Sua planta é livre, com poucas divisões internas.






As expressões de arte incentivadas pelo Casarão do Chá

O Casarão do Chá de Mogi das Cruzes se tornou um centro cultural promovido pela Associação Casarão do Chá. Hoje, o Casarão do Chá é utilizado não só para visitação, mas também para cursos, workshops, exposições de arte, feiras, apresentações, performances e tudo o que for ligado à cultura.

Os visitantes poderão conferir apresentações de música tradicional japonesa, exposições fotográficas, feira de artesanato, exposição de aquarelas e ilustrações, caricaturas e workshops, como origami.

Em sua área externa há também uma feira com barraquinhas de antiguidades, artesanato, produtos orgânicos e cerâmica.

Ao redor do Casarão do Chá, diversas barracas de alimentação estarão montadas para que o público escolha os pratos típicos de diferentes países. A refeição é preparada na hora.

O Festival de Cerâmica

No próximo domingo, dia 2 de agosto de 2015, o Casarão do Chá recebe a 2ª edição do Festival de Cerâmica. Durante a programação, os visitantes vão poder conferir as demonstrações dos artistas e participar de oficinas. A mostra reúne 70 artistas e a intenção é promover um encontro cultural. Artistas renomados e jovens artistas com design diferenciado irão estimular, entre si, a troca de experiências.




Endereço e mapa de como chegar
ESTRADA DO CHÁ, cx 05
acesso pela Estrada do Nagao (Fujitaro Nagao), km 3
Cocuera, Mogi das Cruzes – SP


Visitação pública ao Casarão do Chá e Feira de Cultura e Lazer


ATENÇÃO: a visitação do público é somente aos DOMINGOS

Horário: 9 às 17 hs

Entrada: Gratuita

Durante a semana é possível agendar visitas monitoradas.
Contato para agendamento: (11) 4792 2164


Local:
Mogi das Cruzes – SP

ESTRADA DO CHÁ, cx 05
acesso pela Estrada do Nagao (Fujitaro Nagao), km 3
Cocuera, Mogi das Cruzes – SP

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 4792-2164.

“Mogi” como é chamada pelos paulistanos, fica a 40 minutos da capital de São Paulo e tem um excelente acesso pela Rodovia Airton Senna.


Read more...

Back to TOP