Uma prosa, com (e sobre) um cafezinho

>> sábado, 25 de fevereiro de 2012

Após muitos meses de análises e poucos meses de reforma, a empresa em que trabalho mudou de endereço. Ela continua no mesmo bairro, o Itaim Bibi - região privilegiada de SP devido ao fácil acesso a serviços e produtos diversos. Entretanto, mesmo sendo uma mudança de curta distância, as necessidades foram as mesmas de uma longa. Foi necessário cuidar da implantação de infra-estrutura que todo Escritório exige. Para mim, a experiência foi interessantíssima porque é nessas horas de ‘trabalho sob pressão’ que identificamos qual papel exercemos em uma equipe e qual papel as pessoas ao nosso redor desempenham. Tem gente que põe a “mão na massa” e colabora em todos os aspectos. Tem gente que aponta problemas. Tem gente que elogia... É simplesmente fascinante o universo humano com todas as suas diferenças.

Quanto a mim, meu chefe me parabenizou. Fiquei feliz. Entretanto, acelerei! Foi uma prova física e mental da qual há meses faço parte, já que acompanhei todo o processo: desde a captação do imóvel, a análise de espaço x custo, até a instalação no novo prédio. Na semana passada trabalhei até tarde, na tentativa de não causar prejuízo à equipe ao meu redor. Em poucos dias observei que a velocidade do meu raciocínio aumentou de uma forma vertiginosa. Isso não é bom. Quero dizer, conheço pessoas que são “ligadas no 220V” e convivem muito bem com essa característica, mas isso é natural ao ritmo delas; o que não é meu caso. Por isso, aproveitei estes dias de ‘Carnaval’ para desacelerar. Procurei atividades mais tranqüilas que me causam bem estar. Fiz coisas que não fazia há um muito tempo: li um livro inteiro - o belíssimo romance ‘Orgulho e Preconceito” de Jane Austen. Fui ao cinema assisitir em 3D Star Wars “A ameaça fantasma” – sou fã; e dormi até tarde durante todo o feriado. Me afastei da TV e fiz várias pausas para um cafezinho.

Falando em cafezinho, nest post falarei um pouquinho dessa bebida que é preferência nacional.

Até conhecer o Principe Encantado, me contentava com o básico ‘Pilão’. Servia-o com o maior orgulho. Porém o Príncipe apresentou-me para um universo muito mais interessante e saboroso do café.

Minha primeira providência após conhecer esse mundo foi trocar a marca do cafezinho do dia-a-dia para Melita, à vácuo - Tradicional, Fazenda ou Extraforte.

Também aprimorei algumas técnicas no feitio do cafezinho. Basicamente, para se ter um bom cafezinho:
- prefira sempre água filtrada ou água mineral; água com cloro ou impurezas interfere no sabor do café;
- não ferva a água. Para passar o café, basta água bem quente, em ponto de ebulição.
- prefira embalagens à vácuo, que conservam o frescor do pó. Compre café em pequena quantidade, para não estocar. Prefira embalagens com data de fabricação o mais recente possível.
- sobre a armazenagem do café, há controvérsias. Aqui em casa preferimos guardá-lo em um pote de vidro bem fechado e na geladeira.

Ah... Jamais reaproveite o café ou o guarde por horas em garrafa térmica, ok? Café deve ser servido na hora em que é feito, bem fresquinho. Melhor ainda é deixar a porta da cozinha aberta e fazer exalar pela casa aquele perfume de café coando.

Falando em café fresquinho, nestes dias de Carnaval, experimentamos esta receita do livro ‘Café – Comer e Beber’ da Melhoramentos.


Café Gelado com Cardamomo

Rendimento: 2 porções
Tempo de preparo: 5 minutos

Ingredientes:
60 ml de café forte
1 colher (sopa) de leite condensado
2 colheres (sopa) de água fervente
1 pitada de cardamomo em pó

Modo de preparo
Coloque o café, o leite condensado, a água fervente e o cardamomo numa tigela pequena e misture bem. Deixe esfriar. Sirva em copos old fashioned sobre cubos de gelo.


~.~

Para os fãs de um bom expresso, recomendo a marca Gaggia. A Gaggia é subsidiária da Saeco para fabricação de máquinas residenciais de café expresso. A nossa é esta aqui: a ‘Baby Gaggia’. Optamos por ela devido à versatilidade de aceitar tanto café em sache quanto em pó. Seu expresso é realmente muito bom e se tornou nosso cafezinho do dia-a-dia. E não esqueça: café expresso tem de ter aquela espuminha amarelada!


Um grande beijo a todos e uma linda semana!
Paula

Read more...

Sobrecoxa de frango com cerveja/Desafio

>> domingo, 12 de fevereiro de 2012

Minha semana foi muito corrida e a próxima não será diferente. Neste fim de semana o escritório em que trabalho está em mudança para um novo endereço. Tive de coordenar todos os aspectos que envolveram a mudança; além de lidar com as tarefas rotineiras - o que já é bastante 'puxado'. Sem aliviar, a jornada de trabalho destes dias durou cerca de 12 horas. Bem... Com otimismo e principalmente fé, vamos caminhando, né?

Este prato foi apresentado a mim pelo Príncipe Encantando. Me surpreendi ao provar sobrecoxas tão macias e sabororas. O preparo é rápido, ideal para os dias em que o tempo está mais curto. Fizemos uma saladinha de alface com tomates como acompanhamento. Assim, tivemos uma refeição leve e saudável!

Sobrecoxa de frango com cerveja

6 sobrecoxas de frango médias
Temperos a gosto. Usei sal, pimenta do reino, cominho e um pequeno punhado de cravos.
1 lata de cerveja

Tempere as sobrecoxas com o sal, pimenta do reino, cominho e os cravos. Deixe descansar por 10 minutos. Disponha as sobrecoxas na forma onde serão assadas, regue-as com a cerveja. Cubra a forma com papel alumínio e leve-a ao forno em temperatura média - aproximadamente 290º. Após 15 minutos de forno, vire as sobrecoxas. Leve-as de volta ao forno por mais 10 minutos - ainda cobertas com o papel alumínio. Passado os 10 minutos, retire o papel aluminio e deixe-as por mais 5 minutos em forno alto para dourar. Após dourar, estão prontas!
~.~.~.~

Agora, vamos ao Desafio! Fui convidada pela querida Josy do blog Cozinhando com Josy para responder a 10 perguntas e 7 fatos aleatórios sobre mim. Lá vai:


1 - Nome da minha música favorita
Gosto de muitas músicas. Dependendo da fase em que estou, ouço alguns estilos em especial. Ultimamente estou ouvindo bastante um CD das 'Ladies do jazz' e sempre repito a interpretação de Nina Simone para “My babe just cares for me”, letra/composição de Gus Kahn e Walter Donaldson.

2 - Nome da minha sobremesa preferida
Mousse de maracujá.

3 - O que me tira do sério
Arrogância.

4 - Quando estou chateada
Fico profundamente triste e me sinto deslocada.

5 - Qual é o animal de estimação preferido?
Cachorros.

6 - Preto ou Branco?
Branco.

7 - Maior Medo
Assim como a Josy, de ficar doente ao ponto de ter que depender dos outros.

8 - Atitude Cotidiana
100% de comprometimento com o que faço.

9 - O que é perfeito
Deus e a sensação de estar na paz de Deus.

10 - Culpa
Ser irredutível após ter tomado uma decisão.


SETE FATOS ALEATÓRIOS SOBRE 'A EXECUTIVA DE PANELA'

1 – Cozinhar me deixa feliz.
2 – Gosto muito de provar novos sabores e aromas.
3- Gosto de conhecer novos lugares. Notei, porém, que procuro viajar para locais mais tranqüilos e estar mais próxima da natureza.
4 – Me faz bem estar com a família e/ou amigos. Me divirto com a organização dos nosso encontros com comidinhas, belisquetes e petiscos.
5- Sou caseira, adoro ficar em casa com o Príncipe Encantado.
6 – Não gosto de televisão, mas gosto muito de filmes.
7 – Fico muito feliz com os elogios ao blog ‘Executiva de Panela’. É uma alegre surpresa quando descubro que alguém conhecido (ou não) aprecia as postagens!

As regras pedem para que eu escolha 10 blogs.
Encaro esses 'Desafios' como uma brincadeira para nos conhecermos melhor umas às outras.
Por isso hoje, encaminho o desafio para algumas blogueiras das quais gostaria de saber mais sobre elas - ainda que acompanhando seus blogs com frequência.

Kinha Bau da Kinha
Carol Mundo da Carol
Vero Além da rua Atelier
Liliane Caminho da Gula
Kátia Casos e Coisas da Bonfa
Cela Cela em Casa
Roberta Lito Chocolito's
Grazzi Grazzi
Irene Danni e Lype
Bia Jubiart

Amigas, é uma brincadeira! Fiquem à vontade para participar ou não, ok?


Beijos a todos e uma linda semana!
Paula



Read more...

Bolo de pinhão, com gostinho de "chalé na montanha"

>> domingo, 5 de fevereiro de 2012

No fim de semana passado fomos descansar um pouquinho no alto das montanhas. Ficamos em Cunha, cidade a 225km da capital de São Paulo - maior produtora de pinhão do Estado. Pinhão é a semente de algumas espécies de árvore como o pinheiro. Em uma lojinha muito charmosa de lá, encontramos pinhão cozido, sem casca e congelado! Além de trazer um pacotinho para casa, também peguei uma folha com várias sugestões de receitas utilizando-o como ingrediente principal. Dentre as receitas está o bolo de pinhão da ‘Vig’, que reproduzo abaixo.

Bolo de Pinhão

Ingredientes

2 ½ xícaras de farinha de trigo
1 colher de sopa de fermento em pó
1 colher de sopa de canela em pó
2 xícaras de açúcar (usei apenas 1 xícara)
½ xícara de nozes ou castanha do Pará picadas (usei nozes)
4 ovos batidos
2 xícaras de pinhão cozido, descascado e moído (usei o pinhão picado como uma farofa grossa)
1 xícara de óleo


Modo de preparar

Em uma tigela, incorpore os ingredientes secos, acrescente a farofa do pinhão e as nozes picadas. Misture bem. Reserve. Com um fouet, bata os 4 ovos e junte-os aos ingredientes secos. Acrescente a xícara de óleo. Em batedeira, bata a massa em velocidade alta por aproximadamente 1 minuto et voilà! Está pronta. Despeje-a em forma untada e enfarinhada. A forma redonda, com furo no meio, tamanho padrão serviu bem para essa medida. Leve ao fogo baixo (180º), já pré-aquecido por uns 10 minutos.  O bolo tem aspecto claro, por isso não o deixe dourar em cima porque queimará embaixo e nas bordas.  Após 30 minutos faça o teste do palito. No meu forno levou 40 minutos para assar.

~.~

Fiz este bolo aqui em casa poucos dias após o retorno de Cunha. O aroma de canela misturado com o gostinho ‘rústico’ de pinhão me transpotou de volta às montanhas. A sensação foi de aconchego!

Aproveitando a postagem, reproduzo abaixo fotos das paisagens que vimos em Cunha, da pousada em que ficamos e também da lojinha onde comprei o pinhão.






A pousada, com sua decoração rústica e colorida, é um local de descanso. Os proprietários são muito carinhosos e nos fazem sentir à vontade. O ambiente é perfumado de ervas e, no salão de refeições, a música ambiente é instrumental e tranqüila - de muito bom gosto, diga-se de passagem. Sentimo-nos muito descansados e em paz.











Abaixo está a fachada da charmosa lojinha onde compramos o pinhão e também seu interior. Destaque para o pinhão disposto como decoração, na entrada da loja.







Além da bela paisagem, Cunha possui inúmeros ateliers de cerâmica. Visitamos grande parte deles e conhecemos artistas receptivos, prontos a contar histórias sobre eles e sobre a técnica. As técnicas utilizadas para a produção de peças de cerâmica são elaboradas e, em meu ponto de vista, de altíssimo nível no quesito de ‘artesanato’. Os artesãos precisam de matéria prima de excelente qualidade e muita criativade para criar as lindas peças. Além disso, é necessário um forno com temperaturas superiores a 1.300ºC para consolidar as peças. O mais atraente, porém, é a singularidade das peças. Estas são únicas, ou seja, não há linha de produção no feitio da cerâmica.

Curtimos bastante o ambiente montanhês e o sofisticado artesanato de Cunha. Queremos voltar!


Desejo a todos uma linda semana!

Beijos
Paula

Read more...

Back to TOP